terça-feira, 17 de março de 2015

Tempestade geomagnética: St. Patrick em 17 de Março de 2015

Hoje há um anuncio de uma tempestade geomagnética que esta chegando de mansinho e mais cedo que o esperado.
Esta tempestade já batizada de St. Patrick Magnetic Storm.  A CME  (coronal mass ejection)  alcançou o campo magnético da Terra hoje cedo, 17 de março  por volta das 04:30 UT. Em um primeiro  momento o  impacto provocou uma classe de tempestade geomagnética classificada como G1 relativamente leve  (Kp = 5). No entanto, desde então, a tempestade se intensificou para uma  classe G4 (Kp = 8), que é atualmente a tempestade geomagnética mais forte do atual ciclo solar.

Esta tempestade está em andamento agora em direção a terra.  Antes do nascer do Sol, hoje cedo foram vistas auroras brilhantes ao longo de vários estados da região norte dos EUA, incluindo Minnesota, Wisconsin, Montana, Dakota e Washington entre outros.

Natal - RN - Brazil 

Segundo o SpaceWeather.com  a luminescências no céu de cores verdes podem ser vistas a partir de cidade com latitudes mais baixas, como é o caso de cidades no norte do Brasil. Em Natal, pode ser notado algum resquício da tempestade magnética na noite de hoje. Outra característica deste fenômeno é a perturbação de sistemas de localização que utiliza sinais de satélite (perturbação dos  sinal de GPS devido  a cintilações).  Segundo  o centro de Previsão do Tempo Espacial não há indícios  de impactos negativos até agora, e não há indícios de uma tempestade de radiação que teria um impacto eletrônica de satélite e em  voos de alta latitude. No entanto, pode haver alguma perturbação na tecnologia GPS e navegação por satélite. Neste momento, (16:43 hora de Natal), ainda há muita  imprevisão por  parte dos "meteorologistas do espaço" e acredita-se que a tempestade já atingiu a sua intensidade máxima. No entanto não descarta-se  que há  potencial para que a  tempestade continue neste magnitude durante o anoitecer desta terça-feira.  Uma coisa é certa, é um tempestade magnética. Agora é acompanhar as  condições ao longo das próximas 12 horas para ver o que acontece.
Para os curiosos,  basta acompanhar a evolução dos  índices Dst (Disturbance storm time) nos gráficos em tempo real.

Evolução em tempo Real (Plots)

Video com simulação do evento / CME